Associação de Mulheres

da Indústria do Gaming

Mulheres no mercado de trabalho

Mulheres no mercado de trabalho: principais dados

A presença das mulheres no mercado de trabalho está crescendo constantemente, e as projeções indicam que essa tendência só tende a aumentar. Dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) revelam que a economia brasileira poderia crescer até 382 bilhões de reais se houvesse uma maior inclusão de mulheres no mercado de trabalho. 

Embora a luta feminina por direitos e igualdade tenha avançado, ainda há um longo caminho pela frente, especialmente na busca por paridade em cargos de liderança. Um estudo da Grant Thornton, “Women in Business: Pathways to Parity“, prevê que, no ritmo atual, a igualdade de gênero em posições de liderança só será alcançada em 2053 – um longo período que devemos reduzir.

 

Um caminho lento, mas promissor 

Apesar do progresso gradual, há motivos para ser otimista. Nos últimos 20 anos, a discussão sobre o empoderamento feminino evoluiu significativamente. As mulheres agora estão mais capacitadas para tomar decisões que priorizem suas necessidades pessoais e profissionais. Isso inclui a demanda por modelos de trabalho flexíveis e a aceitação de diferentes estilos de liderança, permitindo que as mulheres se afirmem como líderes autênticas.

 

 A evolução histórica das mulheres no mercado de trabalho

A revolução industrial no Brasil foi um marco para a entrada das mulheres no mercado de trabalho. A partir da década de 1930, a industrialização aumentou a demanda por mão de obra, permitindo que as mulheres deixassem o trabalho doméstico para se juntarem à força de trabalho industrial. No entanto, os salários eram desiguais, com as mulheres recebendo menos do que os homens para as mesmas funções. Isso soa familiar?

A década de 1970 foi marcada pelo Movimento Feminista, que começou nos EUA e teve um impacto significativo no Brasil. Esse movimento foi essencial para a luta por liberdade, igualdade de gênero e direitos das mulheres, iniciando um processo contínuo de conquistas importantes.

 

O Mercado de trabalho brasileiro e a mulher

No Brasil, a participação completa das mulheres no mercado de trabalho demorou a se concretizar. Somente em 1930, o decreto-lei nº 24.417 abordou a situação das mulheres no mercado de trabalho. Foi apenas na década de 1940 que as mulheres começaram a ocupar diversos cargos, impulsionadas pelo crescimento das indústrias siderúrgica, petrolífera, química, farmacêutica e automobilística.

Apesar dessas mudanças, a participação feminina ainda era pequena. Em 1950, os homens representavam 80,8% da população economicamente ativa, enquanto as mulheres eram apenas 13,6%, segundo o censo do IBGE. Nas décadas seguintes, o movimento feminista ajudou a impulsionar a causa das mulheres trabalhadoras, quebrando tabus e promovendo a igualdade.

A Constituição Federal de 1988 foi um marco importante, instituindo a cidadania e os direitos humanos para as mulheres brasileiras. Além disso, o Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, começou a ser reconhecido oficialmente no país.

 

A luta das mulheres no mercado de trabalho continua

Mesmo com avanços na educação, onde as mulheres superam os homens em escolaridade, a desigualdade no mercado de trabalho persiste. Dados de 2022 do IBGE mostram que 53,3% das mulheres fazem parte da força de trabalho, em comparação com 73,2% dos homens. Além disso, as mulheres ocupam apenas 39,3% dos cargos gerenciais e recebem salários 21,2% menores que os homens para as mesmas funções.

As mulheres também enfrentam uma carga desproporcional de tarefas domésticas. Em 2022, elas dedicaram quase o dobro do tempo aos cuidados da casa e de pessoas em comparação aos homens (21,3 horas contra 11,7 horas semanais). Essa carga maior impacta negativamente sua participação no mercado de trabalho.

A desigualdade é ainda mais acentuada para mulheres negras. Elas estão mais envolvidas em trabalhos domésticos não remunerados e enfrentam taxas de informalidade mais altas (45,4%) em comparação com homens brancos (30,7%). Além disso, a renda média das mulheres negras é significativamente menor, e elas têm maior probabilidade de viver abaixo da linha de pobreza.

 

O impacto da maternidade para as mulheres

A maternidade apresenta desafios adicionais. Estudos mostram que as mulheres sofrem uma queda salarial significativa após terem filhos. No Brasil, 42% das novas mães deixam suas ocupações após o nascimento do primeiro filho, e 35% continuam fora do mercado de trabalho dez anos depois.

 

O impulsionamento do trabalho híbrido nas carreiras 

A flexibilidade no trabalho, como horários flexíveis e regimes híbridos ou remotos, tem sido fundamental para que mais mulheres alcancem posições de liderança. A pesquisa “Avançando na Igualdade: Mulheres no Ambiente de Trabalho Híbrido“, realizada pela IWG, revela que a flexibilidade permitiu que 53% das mulheres buscassem promoções ou cargos mais altos. O estudo ainda revela que:

  • 73% das mulheres em grupos minoritários encontraram novas oportunidades com o trabalho híbrido;
  • 67% afirmaram que essa modalidade ajudou na progressão de carreira;
  • 70% acreditam que o trabalho híbrido tornou o ambiente mais inclusivo.

 

Com o home office, as mulheres estão investindo ainda mais em educação para progredir em suas carreiras. De acordo com a plataforma Vagas.com, 14,1% das mulheres possuem pós-graduação, em comparação com 12,2% dos homens. No entanto, essa qualificação superior não se traduz igualmente em oportunidades de carreira, com as mulheres ainda enfrentando desafios em alcançar cargos de média e alta gestão, segundo o estudo.

A jornada das mulheres no mercado de trabalho é marcada por conquistas importantes, mas também por desafios persistentes. A igualdade de gênero ainda está distante, mas com o engajamento de toda a sociedade, é possível criar um futuro onde as mulheres possam exercer plenamente seus direitos e contribuir para o desenvolvimento econômico e social do país. 

A AMIG está comprometida em promover a inclusão, capacitação profissional e sensibilização para criar um ambiente de trabalho mais justo e inclusivo para todas as mulheres.

Compartilhe nas redes sociais

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Quer ver mais notícias?

Control F5

Hub de soluções para o mercado de gaming no Brasil, oferecendo 10 serviços: Marketing, Atendimento ao Cliente, Afiliados, Desenvolvimento e Tecnologia, Recrutamento e Seleção, Treinamentos especializados, Compliance, Assessoria Jurídica e Contábil, Hub de serviços em geral para o mercado de gaming no Brasil e Consultoria.

Clever Advertising

Agência global de performance premium da indústria de igaming

Ambiel Advogados

Escritório de advogados com atuação abrangente nas mais variadas áreas do Direito

Control F5

Hub de soluciones para el mercado de gaming en Brasil, ofreciendo 10 servicios: Marketing, Servicio al Cliente, Afiliados, Desarrollo y Tecnología, Selección y Reclutamiento, Capacitación Especializada, Cumplimiento, Asesoría Legal y Contable, Hub de servicios generales para el mercado de gaming en Brasil y Consultoría.

Control F5

Hub of solutions for the gaming market in Brazil, offering 10 services: Marketing, Customer Service, Affiliates, Development and Technology, Recruitment and Selection, Specialized Training, Compliance, Legal and Accounting Advisory, General service hub for the gaming market in Brazil and Consulting.

Clever Advertising

Premium global performance agency in the igaming industry

Clever Advertising

Agencia global de rendimiento premium en la industria del igaming

Ambiel Advogados

Law firm with comprehensive practice in various areas of law